Alejandro Valeiko, se apresenta na Delegacia de Homicídios

Alejandro Valeiko, filho da primeira-dama do município, chegou nesta segunda-feira (07), por volta das 12h13, na sede da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na Zona Leste de Manaus, para prestar esclarecimentos sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues. 

O filho de Elisabeth Valeiko chegou acompanhado de seus advogados Marco Aurélio Choy e Yuri Dantas em um carro importado da marca Jaguar, de placas PHY-040 avaliado em mais de R$ 330 mil. Caso não chegasse até as 13h, a prisão do suspeito seria convertida novamente em prisão temporária com prazo de 30 dias – aplicada em crimes considerados hediondos.

Único suspeito solto de ter envolvimento na morte do engenheiro Flávio Rodrigues, Alejandro desembarcou hoje, por volta das 10h50, no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, na Zona Oeste de Manaus. Ele estava, segundo sua defesa, em uma clínica de reabilitação no Rio de Janeiro. 

Familiares de Flávio Rodrigues estavam presentes na hora da chegada de Alejandro e pediram Justiça. Uma nova manifestação está marcada para acontecer nesta quarta-feira (09) na Ponta Negra, na Zona Oeste da capital. 

Entenda o caso

O engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos foi encontrado morto no início da tarde do dia 30 de setembro em um terreno no Tarumã, Zona Oeste de Manaus. Flávio estava desaparecido desde a noite do dia 29, após participar de uma festa no condomínio de luxo onde mora Alejandro, no bairro Ponta Negra, também na Zona Oeste da cidade.

Cinco suspeitos de terem ligação com o crime já estão presos.

Saiba mais

Laudo de transtornos mentais de Alejandro pode ser contestado pelo MP-AM, diz especialista

De acordo com jurista, o Ministério Público do AM pode solicitar um novo laudo do filho da primeira-dama do município sendo feito por um médico regimentado pela Justiça 

Advogado criminalista diz, sob a condição de anonimato, afirmou que o laudo médico apresentado pela defesa de Alejandro Valeiko – que afirma que ele sofre de transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de entorpecentes e transtorno esquizofrênico e de personalidade dissocial – pode ser contestado pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

Segundo o profissional, o MP-AM por ser uma escala superior no meio jurídico e pode conseguir o mandado de prisão e solicitar um novo laudo com um médico regimentado pela Justiça.

“Se o laudo já existia antes, de fato será uma prova robusta. Mas quem garante que ele não foi feito agora? Geralmente a Justiça desconfia deste tipo de prova, acha estranho e pede um novo laudo para constatar a veracidade, até por se tratar de algo muito subjetivo”, disse o advogado que ainda estranhou a demora para alegação de doença mental de Alejandro, que só foi apresentada dias após o ocorrido no dia 1° de outubro deste ano, após o engenheiro Flávio Rodrigues foi encontrado morto em um terreno do bairro Tarumã, Zona Oeste da cidade.

Questionada sobre a possibilidade do pedido de um novo laudo, a assessoria de comunicação do MP-AM apenas afirmou que o caso está sendo acompanhado pela promotora de Justiça Clarissa Brito, cumprindo todas as formas da Lei.

Ainda foi enviada uma nota, onde o MP-AM destaca que “tem se manifestado inclusive, dando parecer favorável à expedição de mandado de prisão em desfavor de Alejandro Molina Valeiko. Como o caso está em fase de inquérito policial, o MPAM vai se manifestar todas as vezes que se fizerem necessário, de acordo com a legislação vigente”.

Seguranças que acompanharam Alejandro até RJ são funcionários da Prefeitura

Conforme consta no Portal da Transparência, Walter Nascimento e Rafael Souza são lotados na Casa Civil e Casa Militar, respectivamente


WhatsApp_Image_2019-10-07_at_12.19.35_A55B1353-37CA-4909-A6C8-89EDCB431B83.jpeg
Foto: Junio Matos

Os seguranças particulares que viajaram para o Rio de Janeiro (RJ) com Alejandro Valeiko, 29 anos, no dia 30 de setembro após o suspeito prestar esclarecimentos no 19º Distrito Integrado de Polícia (DIP) sobre a morte do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, 42 anos, são funcionários da Prefeitura de Manaus (PMM).

As três passagens para o RJ custaram R$ 4.345, 54. No ticket de embarque da empresa Gol Linhas Aéreas constam os nomes de Walter da Silva Nascimento e Rafael Leite de Souza, lotados na Casa Civil e Casa Militar, respectivamente. Alejandro deixou Manaus, às 15h35, acompanhando da dupla de segurança. Segundo o Portal da Transparência da PMM, Walter da Silva Nascimento está lotado no Gabinete Pessoal do Prefeito no cargo de assessor técnico III.Newsletter – Receba os destaques do portal A Crítica todos os dias no seu e-mail.

Walter da Silva Nascimento está lotado no Gabinete do prefeito

No Diário Oficial do Município (DOM), é possível notar que Walter acompanha frequentemente o prefeito Arthur Neto (PSDB) em eventos oficiais. Publicado no DOM do dia 5 de julho de 2019, de número 4632, o despacho que autoriza a viagem de Walter para Brasília (DF), com direito a uma diária, para acompanhar o prefeito em audiência com o Ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto.

Já Rafael Leite de Souza, segundo o Portal da Transparência, lotado na Casa Militar, no Gabinete do Secretário, está no cargo de Gerente. Como já noticiado pelo A Crítica, o uso de segurança e carro da Prefeitura em crime pode trazer problemas a Artur.

Rafael Leite de Souza está lotado na Casa Militar

Procurado pela equipe, o prefeito Arthur Neto, por meio da Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom), respondeu ao questionamento do uso de servidores públicos para escolta particular do enteado, assim como, fora questionado se os servidores viajaram para tratar de interesses do município. 

Em comunicado, a Semcom respondeu aos questionamentos com o Decreto 2.572/2013, que trata sobre o Regimento Interno da Casa Militar, o órgão tem por finalidade, entre outras atribuições, “planejar, coordenar e executar as ações de segurança pessoal do prefeito, vice-prefeito e respectivas famílias, assim como das autoridades e visitantes da sede da Prefeitura Municipal, conforme determina em seu art. 2°”. Sobre o fato de ter um agente da Casa Civil, no caso Walter Nascimento, a Semcom não se manifestou.

Nesta segunda-feira (7) a Câmara Municipal de Manaus (CMM) anulou o requerimento do vereador Chico Preto (PMN) que seria enviado à Casa Militar para cobrar respostas sobre o uso de carro público em cena do crime. O documento questiona a participação do servidor Elizeu da Paz de Souza entrando no condomínio Passaredo em um veículo de domínio da Prefeitura de Manaus.

O Ministério Público Estadual (MPE-AM) também foi consultado para esta reportagem para saber se o órgão investigará o uso do carro público e dos servidores que agiram a interesses particulares do prefeito. Até a publicação desta matéria o MPE-AM não se pronunciou sobre o assunto.

As investigações do Caso Flávio apontaram que o carro utilizado pelo sargento da Polícia Militar (PM) Elizeu da Paz de Souza, 37 anos, e pelo ex-PM Mayc Vinícius Teixeira Parede, 37 anos, para entrar no condomínio Passaredo, também pertence à PMM. Elizeu é lotado na Casa Militar com o cargo de assessor II, conforme consta no Portal da Transparência da PMM. Elizeu está preso temporariamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: O conteúdo está protegido !!