Deputados fiscalizam e dizem que Hospital Francisca Mendes tem ‘situação caótica’

Os deputados tiveram que recorrer ao Ministério Público do Estado (MPE) para que obterem autorização da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) para fiscalizar hospitais.

Os deputados Dermilson Chagas (PP) e Wilker Barreto (Podemos) informaram que estiveram, na manhã desta sexta-feira, 13, fiscalizando o Hospital Universitário Francisca Mendes, com representantes do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam) e que constatara “o caos”. Segundo eles, a unidade está atuando apenas em urgência e emergência, precisa de R$ 6 milhões para funcionar em sua plenitude e salvar 614 pessoas cardiopatas que necessitam do procedimento cirúrgico e está há dois meses com as cirurgias eletivas suspensas pela falta de investimento de recurso do governo do Amazonas. “Na última quinta-feira, 12, a gestão destinou R$ 12 milhões para realização de festas de fim de ano, enquanto 29 crianças já morreram em 2019 por falta da cirurgia cardíaca”, denunciaram.

Os deputados tiveram que recorrer ao Ministério Público do Estado (MPE) para que obterem autorização da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) para fiscalizar hospitais, pois, o governo havia proibido, desde a primeira semana de dezembro, dia 2, a entrada dos dois em qualquer unidade de saúde do Amazonas. 

Dermilson e Wilker informaram que foram recebidos por uma comissão de profissionais médicos que atuam no Francisca Mendes para uma reunião a portas fechadas. E que, logo após, constataram que a unidade não está realizando as cirurgias cardíacas, bem como exames complexos, devido a falta de manutenção dos aparelhos e a ausência de materiais para os procedimentos cirúrgicos. Não há raio-x, ultrassom, mamógrafo, ressonância, o aparelho de hemodinâmica está parado há um mês, e o tubo valvado só possui uma unidade, o que atende um paciente de cada vez, disseram.

De acordo com o Wilker, o overno do Amazonas assume o risco de matar depois de repassar para o Francisca Mendes apenas R$ 1 milhão, quando a necessidade real do hospital para funcionar 100% é de R$ 6 milhões. “O quadro do Francisca é de colapso total. Máquinas de hemodinâmica e angioplastia funcionando de forma capenga. E quando vejo o dinheiro do Amazonas, que deveria ser destinado para saúde, vai para outras finalidades, é exatamente aquilo que eu sustento: o governador Wilson Lima e seu vice Carlos Almeida estão assumindo o risco de matar por omissão de socorro”, disse.

Para Dermilson “é triste saber que o governador repassou apenas R$ 1 milhão para um hospital que é referência em cirurgias cardíacas, enquanto baixou o Decreto nº 41.619 remanejando R$ 12 milhões para festas de final de ano. “A vida não é prioridade nesse governo. Enquanto que o Wilson e Carlos Almeida gastam com festas de ano novo, mais de 400 cardiopatas entre crianças e adultos esperam há três anos na fila da morte por uma cirurgia. Pessoas estão morrendo’, questionou. 

Além da situação grave do hospital, Dermilson ainda ressalta a falta de pagamento dos profissionais terceirizados que atuam na unidade. “Eles ainda não receberam os meses atrasados. Coisa que o governador afirmou que ia pagar e até hoje nada. Fora que a diretoria do hospital teve que diminuir o quadro de profissionais devido aos gastos que não conseguem suprir pela falta de verba”, salientou. 

Com apenas metade das UTIs funcionando, a realidade preocupa a secretária geral do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Patrícia Sicchar. “Hoje nós temos uma mortalidade alta das nossas crianças cardiopatas e adultos que estão na fila de espera, que é de três anos de fila de espera. Então, mais de 17% dessas crianças estão morrendo sem assistência, porque o Governo não coloca verba na prioridade que é a saúde. Hoje, o Francisca Mendes está agonizando, precisa de verba para se manter, para aumentar as UTIs, para aumentar as cirurgias, para retomar as cirurgias paradas, paralisadas. Só está funcionando a urgência e emergência, toda a eletiva paralisada”, disse. 

Wilker ainda ponderou que buscará soluções com Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE) e revelou que das 12 salas cirúrgicas da unidade, apenas quatro estão funcionando, sendo uma para cada duas cirurgias de crianças e duas salas para cada quatro adultos, o que delimita atendimento. “Vamos mediar reuniões, buscar meios legislativos para contribuir com orçamento e destinar recursos para saúde. Se o governo não cumpre com o seu papel, iremos cumprir com o nosso”.

(92) 99415-5151

Matéria relacionada ao caso :

Um comentário em “Deputados fiscalizam e dizem que Hospital Francisca Mendes tem ‘situação caótica’

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: O conteúdo está protegido !!