Análise: cuidado, a próxima vítima de intolerância pode ser você!

O mesmo ódio que fomenta agressões a gays, negros e imigrantes cria ambiente para ataques a adversários políticos e a seguidores de religião

As agressões sofridas pela youtuber Karol Eller servem de alerta para os brasileiros. A propagação do discurso do ódio extrapola as preferências políticas e, se não for contida, colocará em risco toda a sociedade – não apenas as minorias.

Gay assumida, Karol Eller se destacou na internet por defender o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Também chamou a atenção na rede por criticar o “vitimismo” da comunidade LGBT.

Pois quis o destino que a própria youtuber sentisse no corpo a violência decorrente da intolerância. Karol Eller tornou-se uma vítima porque o preconceito desconhece fronteiras ideológicas.

Na verdade, o ódio social ignora limites. A mesma intransigência que rasga o rosto de uma gay pode machucar ou matar um negro, um maconheiro, uma imigrante ou um adversário político.

O vizinho preconceituoso contra quem gosta de funk, por exemplo, é um potencial agressor contra um fã de Ludmilla que mora na casa ao lado – seja branco, negro ou indígena. O problema seria a música.

“Primeiro levaram os negros/Mas não me importei com isso/Eu não era negro/Em seguida levaram alguns operários/Mas não me importei com isso/Eu também não era operário (…)

Agora estão me levando/Mas já é tarde/Como eu não me importei com ninguém/Ninguém se importa comigo”.

(92) 99415 – 5151

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: O conteúdo está protegido !!