Ataque deixa 4 feridos em universidade na Alemanha

Alguns dos feridos, que foram levados para hospitais próximos do vale do rio Neckar

A polícia da Alemanha afirmou nesta segunda-feira (24) que um atirador morreu após ferir quatro pessoas durante um ataque em uma sala de aula da cidade universitária de Heidelberg, localizada no vale do rio Neckar, no sudoeste do país.

Alguns dos feridos, que foram levados para hospitais, estão em estado grave, e o autor, um estudante, suicidou-se na sequência, de acordo com as informações compartilhadas pela polícia no Twitter. O crime teria ocorrido com uma arma de cano longo, e o atirador agiu sozinho.

No começo da tarde, a agência de notícias AFP informou que fontes da segurança haviam confirmado a morte de ao menos mais um jovem. O premiê alemão, Olaf Scholz, se disse consternado pelo ataque e lamentou o episódio.

O jornal Bild disse que o estudante abriu fogo no local antes de apontar a arma contra si mesmo. Ainda de acordo com a publicação alemã, os investigadores descartaram motivações políticas ou religiosas.

Antes, a polícia afirmou que um grande destacamento de agentes e serviços de emergência estava na região de Neuenheimer Feld, que abriga diversas instalações da universidade local, incluindo cursos de ciências naturais e partes de um hospital. O tráfego de toda a região havia sido interditado, mas a situação já foi normalizada, e apenas o edifício onde o crime foi realizado está ocupado pela polícia.

Segundo informações da emissora pública Sudwestrundfunk (SWR), a universidade pediu aos alunos por email que não se desloquem ao campus por enquanto, embora “não haja mais uma ameaça iminente”.

O prefeito de Heidelberg, Eckart Würzner, 60, no posto desde 2006, lamentou o crime em uma rede social. “Hoje é um dia terrível para todos nós”, disse. “Peço que sigam as informações e instruções da polícia e não espalhem especulações ou rumores prematuros.”

Fundada em 1386, a Universidade de Heidelberg é a mais antiga da Alemanha e contava, inicialmente, com os cursos teologia, direito e filosofia. Onze egressos da instituição já foram laureados com o prêmio Nobel, em diferentes categorias.

Depois de vários semestres com ensino remoto devido à pandemia de Covid, as aulas presenciais foram retomadas na universidade em outubro do ano passado, segundo informou à agência de notícias AFP um pesquisador que trabalha no local. Controles de entrada, como a exigência do comprovante de vacinação, são realizados.

A lei alemã sobre porte de armas de fogo tornou-se mais severa após dois ataques a escolas nas cidades de Freising, na região da Bavária, e Erfurt, no leste, em 2002. No primeiro, um ex-aluno, expulso da escola de comércio, atirou em três pessoas antes de se matar. Já no segundo, um homem armado abriu fogo depois de dizer que não faria um teste de matemática e, no total, morreram 17 pessoas, além do atirador.

Anos depois, em março 2009, um jovem de 17 anos matou 16 pessoas na escola que estudava em Winnenden, no sudoeste. O país conta atualmente com uma das legislações mais restritas da Europa, que exige que os menores de 25 anos sejam submetidos a exames psiquiátricos antes de solicitar o porte de armas.

Em 2016, nove pessoas morreram após David Ali Sonboly, então com 17 anos, abrir foto em um shopping em Munique. Outras 35 pessoas ficaram feridas no ataque, que terminou com o atirador se suicidando. O atentado abriu um novo debate sobre a necessidade de endurecer novamente a legislação nacional sobre armas.

error: O conteúdo está protegido !!