Bancada avaliará ADI do governo antes de decidir sobre ação do Solidariedade

O deputado Bosco Saraiva (SDD) disse que a ação do partido pode levar de 7 a 10 dias para ficar pronta; a do governo já foi ingressada

O deputado federal Bosco Saraiva (Solidariedade) disse nesta sexta-feira (22) que a bancada federal vai analisar o teor da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) apresentada pelo Governo do Estado no Supremo Tribunal Federal (STF) para só depois decidir se recua da pretensão de apresentar o mesmo instrumento no STF. 

“Ainda não conheço o teor da ação que foi dada entrada. Temos que promover a entrada das informações adequadas, perfeitas, históricas para poder a gente lograr êxito. Ao conhecer o teor do documento, vamos levar para um especialista no assunto e seguir o não com a nossa ação”, afirmou o deputado em entrevista ao podcast da coluna Sim&Não do jornal A CRÍTICA

Na quarta-feira (20), em reunião na casa do coordenador da bancada amazonense no Congresso Nacional, senador Omar Aziz (PSD), foi anunciado que o Solidariedade vai apresentar ação no Supremo.

Ainda sem data para ser oficialmente impetrada, a ADI da bancada, ingressada por meio do partido Solidariedade, pode levar de 7 a 10 dias para ficar pronta. Enquanto isso, o governador Wilson Lima (UB) decidiu voltar atrás depois de reunir em um outro encontro com o presidente Jair Bolsonaro (PL) e apresentou a ação às 12h00 desta sexta-feira. 

Saraiva afirmou que nenhum dos membros da bancada presentes na reunião querem ser protagonistas dos futuros resultados da ação, mas lamentou que os deputados bolsonaristas Capitão Alberto Neto (PL) e Pablo Oliva (UB) se ausentaram da reunião.

“Essa é a oportunidade para a população ficar de olho para saber quem de fato está de fato a favor do povo, da Zona Franca e quem está a favor das pessoas. Todos foram avisados sobre a reunião”, afirmou Bosco, negando que seria um acordo entre os dois deputados. 

O deputado explicou que a ideia de o Solidariedade apresentar a ADI surgiu durante a reunião e que ele ligou ainda durante o encontro para o deputado federal Paulinho da Força, presidente nacional da sigla, para verificar a possibilidade. 

Outro lado

Procurado, Pablo Oliva declarou  que no dia da reunião na casa de Omar não estava em Manaus e que tinha uma outra agenda no mesmo horário do encontro.

Ele afirmou que a bancada tem feito reuniões de teor político e não técnico e que já teria conversado com o presidente Jair Bolsonaro (PL) para mostrar a necessidade de excepcionalizar os produtos da Zona Franca de Manaus.

Alberto Neto não se manifestou.

Fonte: Acritica

error: O conteúdo está protegido !!