Sexta-feira 13: plataforma de streaming de cinema e audiovisual traz programação especial de terror brasileiro

Itaú Cultural Play traz sucessos de bilheteria e produções recém-lançadas em duas mostras dedicadas ao gênero de terror nesta sexta-feira 13

Para fazer valer o peso da icônica data da sexta-feira 13, a plataforma de streaming do cinema e audiovisual brasileiro Itaú Cultural Play, traz duas mostras dedicadas ao gênero de terror. São 12 filmes divididos entre as duas, que trazem sucessos de bilheteria e produções recém-lançadas. A plataforma gratuita de streaming de cinema brasileiro é acessível para dispositivos móveis IOS e Android, pode ser acessada pelo site itauculturalplay.com.br.

Curtas do festival Kinoforum 

Com curadoria desse festival, a primeira seleção conta com destaques recentes do gênero, realizados em 2019 e 2020. Ao todo, são sete produções que comprovam a vocação de jovens cineastas brasileiros para esse tipo de produção. Parte das obras desta programação tem uma considerável carga psicológica, que supera grandes efeitos, características gore e assemelhados. Há um predomínio, também, de abordagens políticas, sempre embaladas na cinematografia do gênero.

Entre os destaques está As Viajantes (2019), do cineasta Davi Mello. O filme mostra duas mulheres compartilhando seus medos e angústias em uma noite de sexta-feira 13. Ele conquistou o prêmio de melhor curta-metragem brasileiro no Fantaspoa – Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre em 2019.

Em AzulScuro (2021), de Evandro Caixeta e João Gilberto Versiani, a curiosidade fica por conta do uso do celular como plataforma para contar a história, permitindo acesso ao íntimo de sua protagonista, suas pesquisas, o uso de aplicativos e, até mesmo, suas conversas. O filme acompanha Sofia, em busca por respostas sobre a misteriosa morte de sua irmã, enquanto uma entidade sombria se aproxima.

AzulScuro (Foto: Divulgação)

Outro destaque dessa mostra, Deserto Estrangeiro, de Davi Pretto, foi filmado na Alemanha e ganhou os troféus de melhor roteiro, ator, atriz e fotografia no Festival de Gramado no ano de seu lançamento. Por meio de uma abordagem de terror psicológico, o filme tem forte conteúdo político. O roteiro conta a história de um jovem brasileiro que começou a trabalhar em uma imensa floresta em Berlim e é arrastado para um pesadelo envolvendo o passado colonial alemão, quando tenta encontrar uma garota perdida na mata.

Também integram essa seleção os filmes Caranguejo Rei (2019), de Matheus Farias e Enock Carvalho, Antônia (2020), de Flávio Carnielli, Nervo (2019), de Sabrina Maróstica e Pedro Jorge, e Shunkan (2020), direção de Ricardo Albuquerque.

Velhos conhecidos

Na mostra “Terror à Brasileira”, cinco filmes que conquistaram o público nas salas de cinema também ficam disponíveis na plataforma. Para criar o longa-metragem Quando eu era vivo, em 2014, o diretor Marco Dutra se inspirou no livro “A arte de produzir” efeito sem causa, de Lourenço Mutarelli. Com elenco encabeçado por Antonio Fagundes e Sandy, o filme mostra a história de Junior, um rapaz que se muda para a casa de seu pai ao perder o emprego e se divorciar. De volta ao ambiente em que cresceu, ele reencontra objetos que pertenceram à sua mãe e desenvolve uma estranha obsessão pelo passado de sua família.

Outro destaque é Fábulas Negras, produção de 2015 do mestre do terror José Mojica Marins, o Zé do Caixão. Ele divide a direção com Rodrigo Aragão, Petter Baiestorf e Joel Caetano, novos realizadores brasileiros que tem se dedicado ao gênero. Com uma história cheia de sustos, mas com uma pitada de humor, o filme mostra um grupo de meninos brincando de super-heróis, até que começam a contar histórias de terror. A partir desses contos, eles embarcam em uma macabra aventura envolvendo lendas urbanas e personagens do folclore brasileiro, como lobisomem, bruxa, fantasma, monstro e Saci Pererê.

Fábulas Negras (Foto: Divulgação)

Em Os jovens Baumann, de 2019, da cineasta Bruna Carvalho Almeida, os primos e herdeiros da família que dá nome ao filme desaparecem misteriosamente durante as férias na fazenda dos patriarcas em Santa Rita do Oeste, em Minas Gerais. Os únicos resquícios são fitas VHS encontradas com seus últimos registros caseiros. No final, cabe ao espectador tirar as suas próprias conclusões sobre o desaparecimento dos jovens, se foi algo sobrenatural ou criminoso.

Completam a seleção os filmes Mangue negro (2008), de Rodrigo Aragão, e A noite amarela, do diretor Ramon Porto Mota.

A Itaú Cultural Play

Lançada em 19 de junho de 2021, dia da celebração do cinema brasileiro, a Itaú Cultural Play é uma plataforma de streaming gratuita que oferece produções audiovisuais de todos os estados brasileiros, inclusive com mostras especiais com curadorias de coletivos de jovens das regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte. Hoje com mais de 300 produções audiovisuais, a Itaú Cultural Play apresenta curadorias como Animações infantil e adulta, Documentários, Curtas-metragens, Autorias Indígenas e Negras e Musicais.

SERVIÇO

Itaú Cultural Play – novos lançamentos 

13 de maio de 2022 (sexta-feira) 

Em www.itauculturalplay.com.br  

error: O conteúdo está protegido !!