Coren-SP apura violação de sigilo profissional de enfermeira que ameaçou e vazou dados de Klara Castanho

Atriz relatou que uma enfermeira a abordou após o parto e ameaçou divulgar as informações

O Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) anunciou, neste domingo (26), que vai investigar um possível vazamento de informações sigilosas e se houve infração ética no caso da atriz Klara Castanho, que entregou seu bebê à adoção após ter sido vítima de estupro.

Em carta aberta, Klara disse que uma enfermeira a abordou após o parto e ameaçou divulgar as informações sobre a adoção à imprensa. Ela repudiou o vazamento da história.

Em nota, o Coren-SP ressaltou que “compete ao conselho investigar situações em que haja infração ética praticada por profissional de enfermagem” e “adotar as medidas previstas no Código de Processo Ético dos Conselhos de Enfermagem”.

Afirmou também que “seguirá os ritos e adotará os procedimentos necessários para a devida investigação, como ocorre em toda denúncia sobre o exercício profissional”. O conselho ainda manifestou sua solidariedade à atriz.

– Tão logo venha a dispor das informações necessárias para a investigação, o Coren-SP reforça que todos os procedimentos para apuração serão devidamente realizados – concluiu.

Nota do Coren-SP na íntegra
O Coren-SP, assim como a sociedade brasileira, tomou ciência neste final de semana da situação exposta por atriz, que menciona, em uma carta aberta, ter sido alvo de ameaça de uma enfermeira e a seguinte confirmação por colunista da imprensa a respeito de informações sobre a entrega para adoção de um bebê fruto de um estupro.

Compete ao Coren-SP apurar as situações em que haja infração ética praticada por profissional de enfermagem e adotar as medidas previstas no Código de Processo Ético dos Conselhos de Enfermagem (Resolução Cofen nº 370/2010).

Nesse sentido, o conselho seguirá os ritos e adotará os procedimentos necessários para a devida investigação, como ocorre em toda denúncia sobre o exercício profissional. Assim, o Coren-SP ressalta a cautela necessária sejam tomadas as medidas corretas para a apuração dos fatos.

O conselho manifesta sua solidariedade à atriz e reafirma seu compromisso cotidiano com a ética profissional da enfermagem e com a segurança da assistência prestada pela categoria. Tão logo venha a dispor das informações necessárias para a investigação, o Coren-SP reforça que todos os procedimentos para apuração serão devidamente realizados.

ENTREGA PARA ADOÇÃO
Pela lei brasileira, Klara teria direito a fazer um aborto legal. A atriz afirmou, no entanto, que tomou a decisão de fazer uma entrega direta para adoção.

A entrega voluntária para adoção está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e permite que a mãe entregue o filho para adoção em um procedimento assistido pela Justiça.

Leia mais:

error: O conteúdo está protegido !!